Assinar: conteúdo | comentários

Terranova

A expressão do Terranova reflete a bondade e a doçura. Digno, alegre e impetuoso, ele é conhecido por sua docilidade e sua calma imperturbável. Descrito como resignado, é um bom cão de companhia, já que gosta de participar das atividades familiares e aprecia a companhia humana.

Origem: Canadá

Nome de Origem: Newfoundland

Utilização: Tração de trenós para carga.

Classificação FCI:

Histórico

Originária da ilha de Terranova, a partir de cães crioulos e do grande cão de ursos preto, introduzido pelos Vikings após 1100.

Com a chegada dos pescadores europeus, diversas raças contribuíram para modelar e revigorar a raça, mas, as características essenciais pararam por aí.

No início da colonização da ilha em 1610, o cão de Terranova já possuía grande parte de sua morfologia própria e seu comportamento natural. Essas características lhe permitem resistir aos rigores climáticos extremos e à hostilidade do mar, enquanto que ele puxa cargas pesadas sobre terra firme, ou serve de cão d’água ou de salva-vidas.

Foto: Dreamstime

Aspectos gerais

Um cão massudo, de corpulência poderosa, bem musculado, bem coordenado em suas ações.

Proporções: o comprimento do tronco, da ponta do ombro à ponta das nádegas é igual a distância a altura da cernelha. O tronco é compacto. A fêmea ligeiramente mais longa e menos corpulenta que o macho. A profundidade do peito, da cernelha à esterno, é maior que a distância do esterno ao solo.

Altura:

Macho: Altura Ideal – 71 cm. Fêmea: Altura Ideal – 66 cm

Peso:  o peso médio gira em torno dos 68 quilos para os machos e 54 quilos as fêmeas.

Temperamento: a expressão do Terranova reflete a bondade e a doçura. Digno, alegre e impetuoso, ele é conhecido por sua docilidade e sua calma imperturbável.

Pelagem: o pelo é duplo e impermeável. A cobertura é de comprimento médio e reto, se qualquer caracol. Uma ligeira ondulação é admitida. O subpelo é macio e denso, mais denso no inverno que no verão, entretanto sempre presente em certa quantidade na garupa e no antepeito. Na cabeça, focinho e orelhas o pelo é curto e fino. Os membros anteriores e os posteriores são franjados. A cauda é completamente revestida de pelos longos e densos, sem, entretanto, formar bandeira (franjas pendentes). Tosa e tesoura são indesejáveis.

Cores: preta, branca e preta, e marrom.

* Preto: a cor tradicional é a preta. Deve ser tão uniforme quanto possível, mas admite-se uma ligeira tonalidade bronzeada. As marcas brancas no antepeito, dígitos e/ou na extremidade da cauda são permitidas.

* Branco e preto: essa variedade tem uma importância histórica para a raça. É desejável a seguinte distribuição das marcas: cabeça preta, preferencialmente com uma lista branca estendendo-se pelo focinho, um manto negro com marcações bem repartidas, garupa e a face dorsal da cauda de cor preta. As outras regiões devem ser brancas podendo apresentar um mínimo de salpicado.

* Marrom: essa cor vai do chocolate ao bronze. As marcas brancas no antepeito, dígitos e/ou na extremidade da cauda são permitidas. Os exemplares marrons e os branco-e-marrons são apresentados na mesma classe que os pretos.

Fonte: Bruno Tausz

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.