Assinar: conteúdo | comentários

Dogue de Bordeaux

Dogue de Bordeaux é um antigo cão de combate, talhado para a guarda, que assume, com atenção e grande coragem, sem agressividade. Bom companheiro, é muito apegado ao seu dono e muito afetuoso. Calmo, equilibrado com limiar de excitação (reação) alto. O macho geralmente tem um caráter dominante.

Origem: França

Nome de Origem: Dogue de Bordeaux

Utilização: Guarda e defesa.

 Histórico

O dogue de Bordéus é um dos mais antigos cães franceses, provável descendente dos alanos e, em particular, do dogue de caça ao javali sobre o qual o Gaston Phébus (ou Fébus) Conde de Foix disse, no século XIV, em seu livro de caça, o seguinte: “ele tem a mordida mais forte que três lebréis juntos”. A palavra “dogue” aparece no fim do século XIV. Em meados do século XIX, os antigos dogues eram pouco menos conhecidos que em Aquitaine. Foram utilizados na caça de grandes animais (javali), em combates (frequentemente codificados), na guarda de casas e do gado, a serviço dos açougueiros. Em 1863, aconteceu em Paris a primeira exposição canina francesa. Os dogues de Bordéus participaram com seu nome atual. Havia diferentes tipos: tipo de Toulouse, tipo de Paris e o tipo de Bordéus nas origens do atual dogue. A raça que sofreu bastante, por ocasião das duas guerras mundiais, a ponto de ter sido ameaçada de extinção após a segunda guerra, de 1939 a 1945, retomou seu desenvolvimento nos anos 60.

1º padrão (“características dos verdadeiros dogues”), por Pierre Mégnin, dogue de Bordéus, 1896.

2º padrão, por J. Kunstler, Estudo crítico do dogue de Bordéus, 1910.

3º padrão, por Raymond Triquet, com a colaboração do Doutor Veterinário Maurice Luquet, 1971.

4º padrão reformulado de acordo com o modelo de Jerusalém (F.C.I.), por Raymond Triquet, com a colaboração de Philippe Séfouil, Presidente, e do Comitê da Sociedade dos Amadores do dogue de Bordéus, 1993.

Aspectos gerais

Macho: Altura Máxima – 68 cm / Altura Mínima – 60 cm

Fêmea: Altura Máxima – 66 cm / Altura Mínima – 58 cm

Peso: Machos –  mínimo de 50 quilos. Fêmeas – mínimo de 45 quilos.

Temperamento

Antigo cão de combate, talhado para a guarda, que assume, com atenção e grande coragem, sem agressividade. Bom companheiro, é muito apegado ao seu dono e muito afetuoso. Calmo, equilibrado com limiar de excitação (reação) alto. O macho geralmente tem um caráter dominante.

Pele: espessa e suficientemente solta.

Pelagem: pelo curto, fino e de textura macia.

Cor: unicolores, em gamas de fulvos, do acaju ao isabela. Deve-se buscar uma boa pigmentação. Manchas brancas pouco extensas são admitidas no antepeito e nas patas.

1) Máscara Preta: prolonga-se muito pouco, não devendo invadir a região craniana. Poderá acompanhar ligeiro encarvoamento no crânio, orelhas, pescoço e parte superior do corpo. A trufa será, então, preta.

2) Máscara Marrom: anteriormente conhecida como vermelha ou bistre: a trufa, neste caso, é marrom, bem como a orla das pálpebras.

3) Sem máscara: o pelo é fulvo; a pele parece vermelha (anteriormente conhecida como vermelha). Nesse caso a trufa é avermelhada ou rósea.

Fonte: Bruno Tausz

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.