Assinar: conteúdo | comentários

Akita Americano

No início a história do akita americano é semelhante a história do Akita Japonês. Desde 1603, na região de Akita, os cães chamados Akitas Matagis (cães de porte médio de caça ao urso) foram usados como cães de rinha.

Padrão FCI: nº 344 / 05 de janeiro de 2006 / BR;

Origem: Japão ( Desenvolvimento: EUA )

Nome de Origem: American Akita

Utilização: Companhia.

Histórico da raça

No início a história do akita americano é semelhante a história do Akita Japonês. Desde 1603, na região de Akita, os cães chamados Akitas Matagis (cães de porte médio de caça ao urso) foram usados como cães de rinha. A partir de 1868, o Akita Matagis foi cruzado com os cães Tosa e com mastifes. Consequentemente, o tamanho dos akitas aumentou, mas as características associadas ao tipo spitz foram perdidas.

Em 1908 a rinha de cães foi proibida, mas os akitas foram preservados e aperfeiçoados como uma grande raça japonesa. Como resultado, nove exemplares de qualidade superior foram eleitos como “Monumentos Naturais” em 1931. Durante a Segunda Grande Guerra Mundial (1939-1945), era comum o uso da pele de cães para fabricar uniformes militares.

A polícia ordenou a captura e confisco de todos os cães, exceto pastores alemães, utilizados para fins militares. Alguns criadores aficionados tentaram burlar a lei cruzando seus cães com pastores alemães. Quando a Segunda Grande Guerra Mundial terminou, a população de akitas estava drasticamente reduzida e haviam três tipos diferentes: akita matagi, akita de rinha e akita pastor. Isto criou uma situação muito confusa na raça.

Durante o processo de restauração da raça pura após a guerra, o cão Kongo-Go, da linha de sangue Dewa, teve uma temporária, mas tremenda popularidade.

Akitas da linha de sangue Dewa, que exibiam características de mastife e pastor alemão foram levados para os Estados Unidos por membros das forças militares. Os akitas da linha Dewa, inteligentes e capazes de adaptação a ambientes variados, fascinaram os criadores nos Estados Unidos e a linha foi desenvolvida com aumento do número de criadores e crescente popularidade.

O Akita Clube Americano foi fundado em 1956 e o American Kennel Club (AKC) aceitou a raça (inscrições no livro de origens e status regular para exposições) em outubro de 1972. Entretanto, nesta época, o AKC e o JKC (Japan Kennel Club) não entraram em reciprocidade de acordo, para o reconhecimento de seus pedigrees, e assim, as portas foram fechadas para qualquer introdução de novas linhas de sangue japonesas.

Consequentemente, os akita nos Estados Unidos tornaram-se consideravelmente diferentes daqueles do Japão, país de origem. Eles desenvolveram um tipo único nos Estados Unidos, com características e tipos imutados desde 1955.

Está em acentuado contraste com os akitas no Japão, que foram cruzados com o akita matagi no intuito de restaurar a raça pura original.

Aspectos gerais

Cão de grande porte, de estrutura sólida, bem balanceado, com muita substância e ossatura pesada. A cabeça larga, formando um triângulo obtuso, com focinho profundo, olhos relativamente pequenos, e as orelhas eretas, portadas para frente quase em linha com o pescoço é uma característica da raça.

Macho: Altura Máxima 71 cm / Altura Mínima – 66 cm

Fêmea: Altura Máxima – 66 cm / Altura Mínima – 61 cm

Temperamento: Amigável, alerta, responsivo, digno, dócil e corajoso.

Pelagem

Pelo duplo. Subpelo grosso, macio, denso e mais curto que o pelo externo. O pelo externo é reto, rígido, duro e ligeiramente eriçado. O pelo da cabeça, na parte inferior dos membros e nas orelhas, é mais curto.

O comprimento do pelo na cernelha e na garupa é de aproximadamente 5 cm, sendo ligeiramente mais longo que no resto do corpo, exceto na cauda, onde a pelagem é a mais longa e mais profusa.
O pelo da cabeça, face anterior dos membros e orelhas, é mais curto. O comprimento do pelo na cernelha e garupa é de, aproximadamente, 5 cm, ligeiramente mais longo que no restante do corpo, exceto na cauda, onde a pelagem é a mais longa e abundante.

Cor

Qualquer cor como ruiva, fulva, branca, etc.; como também malhado ou tigrado. As cores são brilhantes e claras e as marcas são bem equilibradas com ou sem máscara ou faixa branca. Cães brancos (de cor uniforme) não têm máscara.

Os malhados apresentam sobre o fundo branco, grandes manchas igualmente distribuídas que cobrem a cabeça e mais de 1/3 do corpo. O subpelo pode ter uma cor diferente do pelo externo.

Fonte: Bruno Tausz

0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.