Assinar: conteúdo | comentários

Natação e brincadeiras na água para os cães

Comentários desativados em Natação e brincadeiras na água para os cães


A natação ou brincadeiras realizadas na água têm sido grandes aliadas quando o assunto é combater o sedentarismo nos cães. Segundo o Dr. João Carlos Colombo, veterinário responsável pelo Pet Hotel Dog Life, a atividade beneficia o aparelho cardiorrespiratório, fortalece as musculaturas e ainda favorece o gasto de energia. “Pelo impacto na água ser muito menor, o exercício também é indicado para animais com problemas nas articulações, evitando os traumatismos”.

Assim como para humanos, a natação é ideal especialmente para os dias mais quentes, e ainda alia descontração e socialização entre os cães. Segundo o veterinário, o exercício de baixo impacto não tem restrições de idade, podendo ser feito até mesmo por animais idosos. “Contanto que haja sempre a supervisão e acompanhamento de um responsável, a natação é mais do que indicada”.

Segundo o Dr. João Carlos, a frequência das atividades deve ser de no máximo três vezes por semana, não sendo aconselhável a permanência do animal por mais de duas horas na piscina. “Se a água for clorada, o cuidado deve ser ainda maior, já que a substância danifica a pelagem do cão”. Nesse sentido o médico explica que é necessário dar um banho no pet logo após a natação, para retirar o excesso de cloro. “A secagem dos pelos também deve ser feita para evitar dermatites e problemas respiratórios”.

 Adaptação e traumas na água

Um dos principais objetivos da natação é proporcionar diversão e qualidade de vida para os animais, mas para que os cães possam aproveitar de seus benefícios, eles precisam vencer a primeira barreira: o receio de entrar na água. “Alguns são nadadores natos, como o Labrador e Golden Retriever, mas muitos têm medo de entrar e brincar na piscina”, explica o veterinário. “O ideal é que a piscina seja própria para animais, com escadas submersas e com a água em um nível bem baixo para evitar afogamentos e traumas”.

O veterinário explica que o estabelecimento buscou justamente uma estrutura que atenda as necessidades dos atletas peludos. “Utilizamos uma piscina de 10m x 1m e profundidade de até 60 cm de água, além das rampas de fácil acesso”. Para o Dr. João Carlos, a melhor forma de não causar traumas é começar deixando a piscina vazia, para que o animal caminhe em busca de brinquedos ou petiscos. “Após o conhecimento desse espaço com brincadeiras, introduzimos aos poucos a água”.

Depois da fase de adaptação, o veterinário explica que os cães devem ser conduzidos para uma piscina maior, tendo o cuidado para jamais forçar sua entrada na água. “Uma das técnicas que utilizamos é carregar o cão com colete salva-vidas em nossos braços e com o corpo submerso, aos poucos soltarmos o animal”. Outra forma utilizada para estimular os animais a entrarem na água são os brinquedos flutuantes, ou deixá-los observando outros animais nadando na piscina. “Em último caso pedimos para o proprietário entrar na piscina e tentar atraí-lo com petiscos e brinquedos”.

Foto: Divulgação

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
0saves
If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.

Comments are closed.